Boa noite! Hoje é segunda-feira, 25 de setembro de 2017 | 21:14

Cidade de Rialma / Rádio Alvorada AM 810 Khz. Rialma - Goiás

Cidade de Rialma

Realizado em

Historia de Rialma


O povoado denominado Barranca, que deu origem ao atual Município de Rialma, (forma sincopada de "Rio das Almas"), nasceu por volta de 1940, quando foi criada a Colônia Agrícola Nacional de Goiás. Devido à notícia da distribuição de lotes gratuitos, chegaram trabalhadores de todas as partes do Brasil, normalmente de Minas Gerais e São Paulo. Muitos dos que não conseguiram lotes rurais ou mesmos urbanos na Colônia, passaram à residir à margem direita do Rio da Almas, razão pela qual eram chamados popularmente de "barranqueiros". O número de pessoas foi aumentando a ponto de construir um povoado.

Através da Lei Municipal nº 11 de 21 de agosto de 1949, a Barranca foi elevada a Distrito de Jaraguá com a denominação de Rialma.

Seu crescimento populacional se acentou com a construção da Rodovia Federal BR-153, e em 16 de julho de 1953, pela Lei Estadual nº 753, Rialma desmembrou-se de Jaraguá, tornando-se Município.

Nascida em função da Colônia Agrícola, Rialma tem desde então até os dias atuais a predominância das atividades pecuárias e agrícolas na economia do Município. Possui como Distrito o povoado de Rialcema e Castrinópolis, e como Distrito Judiciário as cidades de Rianápolis e Santa Isabel.
Mais historia

A saga de Rialma teve início com Joan Lowell, ex-artista da Broadway e de Hollywood, que se embrenhou no sertão de Goiás na segunda metade da década de 30, juntamente com seu esposo, o capitão Bowen, e abriram uma estrada de Jaraguá ate Lavrinhas. Essa expedição possibilitou a criação do povoado de Castrinópolis que futuramente influenciaria Bernardo Sayão a escolher justamente as matas de São Patrício para a implantação da Colônia Agrícola Nacional de Goiás.

As terras de Castrinópolis eram constituídas por 1.700 alqueires. Em 1939, após o falecimento do coronel Castrinho, Izaura Rios, sua esposa, vendeu essas terras ao Senhor Antônio Gonçalves de Araújo (Totonho Araújo), reservando, na época, 21 alqueires para a construção de um povoado, sob a tutela da Igreja Católica, dedicado a São Sebastião e São Benedito, padroeiros de Castrinópolis.

No fim de 1937, Getúlio Vargas lançou a empreitada, batizada de Marcha para o Oeste. 'A região central do Brasil, entre os rios Tapajós, a bacia do Araguaia e os chapadões de Mato Grosso, era um grande sertão desconhecido no coração do Brasil', conta o historiador Leandro Mendes Costa, da Universidade Federal de Goiás. 'Além disso, com a Segunda Guerra, o governo queria pistas de apoio para rotas aéreas pelo interior do país e segurança contra um possível ataque no litoral.

No ano de 1941, no Rio de Janeiro, o Dr. Luiz Simões Lopes assessor da presidência da república disse: - Presidente, tenho um amigo corajoso capaz de fundar uma colônia agrícola no interior de Goiás! Chama-se Bernardo Sayão e é um aventureiro destemido!. Esta colônia seria a primeira de uma série de 8 que se pretendia implantar no Oeste do país, como parte da famosa "Marcha para o Oeste".

No ano de 1941, Bernardo Sayão chegou a Castrinópolis, na casa do Antônio Gonçalves de Araújo, onde recebeu hospedagem e comida para toda a sua turma. Seu destino eram as barrancas do Rio das Almas, as matas de São Patrício.

Antônio Gonçalves de Araújo forneceu-lhe os animais e indicou que o melhor local para instalação da Colônia Agrícola Nacional seria à margem esquerda do Rio das Almas.

Com a divulgação da Colônia Agrícola de Goiás, surgiram pessoas oriundas de várias regiões. O projeto constituía na doação de lotes de terras, com uma burocracia simples, mas que dificultava a entrada na colônia. Os colonos então, enquanto aguardavam a triagem, iam se alojando como podiam do outro lado do Rio das Almas. As terras nessa época pertenciam aos pioneiros Osório Felipe e Joaquim Orozimbo.

Apesar das adversidades, os homens desafiavam a natureza enquanto as mulheres cuidavam dos fogões improvisados, sustentando nos braços as crianças sujas que se misturavam com as aves de criação. Certo dia, Bernardo Sayão mandou chamar os pioneiros Osório Felipe e Joaquim Orozimbo e sugeriu-lhes que passassem a vender lotes para as pessoas que não haviam sido contempladas com as terras da Colônia Agrícola. Ofereceu-lhes apoio, mas exigiu que não permitissem a venda de bebidas alcoólicas no novo povoado.

Vislumbrando a possibilidade comercial, os dois fazendeiros passaram a comercializar suas terras. Os lotes no novo povoado eram vendidos a um preço módico, no entanto, a proximidade do povoado com o eldorado que representava a Colônia Agrícola Nacional atraiu muitos comerciantes que logo passaram a dar preferência em fixar-se na Barranca, pois esses lotes eram isentos da burocracia da Colônia.

Logo as casas de madeira iam surgindo como que do nada às largas margens do Rio das Almas. Com o passar do tempo, aumentava o número de pessoas que iam se fixando na Barranca; do outro lado do rio uma profusão de carros amarelos da CANG (Colônia Agrícola Nacional de Ceres) quebravam a monotonia da mata; crescia na região o número de paus-de-arara que chegavam abarrotados de gente com seus cacarecos e utensílios de cozinha, com suas malas e apetrechos.

O povoado cresceu, abriram-se estradas para escoamento da produção local, construíram pousadas para abrigar viajantes, lojas para comercializar produtos agrícolas e gêneros de primeiras necessidades; o vilarejo passou a ser distrito de Jaraguá com a denominação de Rialma, através da Lei Municipal nº. 11, de 21 de agosto de 1949. O pioneiro Frutuoso Alves Guimarães foi nomeado subprefeito do novo distrito, cargo esse que ocupou até o seu falecimento, o que ocorreu no ano de 1951.

Após muitas lutas empreendidas pelos políticos da Barranca, foi aprovada a Lei Estadual n.º 753, de 16 de julho de 1953, que criou o município de Rialma, mesmo sob protestos de alguns políticos de Jaraguá, que não aceitavam a idéia de perder o emergente distrito. No dia 28 de novembro de 1953, José Carlos de Souza foi nomeado prefeito de Rialma pelo então governador do estado, Pedro Ludovico Teixeira, até que se realizasse uma eleição. A lei de nomeação n.º 954, foi expedida no dia 13 de novembro de 1953.

José Carlos de Souza assumiu a prefeitura no dia 1º de janeiro de 1954, ficando no cargo por um ano e três meses. Logo que foi instalado o município, ocorreram as nomeações dos titulares dos cartórios. Na sua gestão foi construído o prédio da cadeia pública de Rialma, onde também funcionavam a prefeitura e a sede dos correios. Nessa época também foi construído o Estádio Municipal de Rialma. Um projeto que não foi concretizado pelo prefeito foi o loteamento da Ilha (ilha do Roque). José Carlos pretendia doar os lotes às pessoas que se interessassem em morar na ilha. O acesso seria feito através de uma ponte que ele almejava construir. No entanto, as dificuldades financeiras da época não permitiram a conclusão do projeto.

Ainda no ano de 1954, foi realizada a primeira eleição para prefeito de Rialma. Concorreram para o cargo executivo os Senhores Gedeon Costa de Araújo (PSD) e Otávio Barreto (UDN). A eleição foi realizada no dia 04 de outubro de 1954, sendo eleito para assumir o cargo de prefeito do município de Rialma o sr. Gedeon Costa de Araújo, do PSD.

A Câmara Municipal de Rialma foi instalada no dia 1º de janeiro de 1955. Tomaram posse o prefeito eleito Gedeon Costa de Araújo e os vereadores Pedro felinto Rêgo, Argemiro Nepomuceno de Souza, messias Artiaga Lima, Gercílio Alves Guimarães, Luiz Gonzaga da Silva, Manoel Barreto dos Santos e Orlando Felipe da Silva. No decorrer da 1ª Legislatura (1954/1957), assumiram o cargo os suplentes Arlindo Fernandes Reis, Antônio Pimenta da Silva e Sebastião Dias de Matos. Após a instalação, procedeu-se à eleição da mesa diretora, sendo eleito como o primeiro Presidente da Câmara Municipal de Rialma o vereador Pedro Felinto Rêgo.

A fundação da Escola João Wesley de Oliveira em Rialma em março de 1948 foi um marco singularíssimo na história do município de Rialma. Dona Joana e seu esposo Manoel Joaquim Gonçalves chegaram aqui em janeiro de 1948 trazendo consigo a fé, devoção esta que recebeu a bênção de Deus para que pudesse realizar o que sempre almejou: fundar uma escola. A sua vida de professora sempre vocacionada para o magistério, ela a iniciou reunindo os filhos dos vizinhos, em sua casa (de pau a pique).

Em 1955 conseguiram comprar um terreno situado na rua 5, onde construíram uma sala de alvenaria e aumentaram o número de alunos. Naquela época, não tinham nem livros de atas, visto não existir em Rialma papelaria nem gráfica. A comunicação com Goiânia era difícil e a situação financeira precária.

Em 1958 a escola foi registrada com o nome de escola João Wesley de Oliveira, nome de uma família valorosa e de elevada qualidade de intelectuais. O aludido registro foi conseguido junto à Secretaria da Educação e Cultura pelo Dr. Divino José de Oliveira, então Procurador do Estado de Goiás. O nome da escola foi uma homenagem ao seu filho que tinha falecido recentemente em um acidente aéreo em Edéia-GO.

No ano de 1953 ocorreu a emancipação política da cidade de Rialma, e com a emigração dos povos vindos de várias partes do país atraídos pelo desejo de cultivar terras, surgiu a necessidade de um estabelecimento de ensino, onde as crianças e jovens pudessem se instruir e se tornarem capacitados para o mercado de trabalho.

No dia 04 de março de 1956, na gestão do então prefeito Gedeon Costa de Araújo, o Grupo Escolar Câmara Filho foi inaugurado com a presença de inúmeras autoridades. O terreno pertencia ao pioneiro e saudoso Osório Felipe da Silva.

A primeira Diretora do Grupo Escolar Câmara Filho foi a sra. Maria Olinto do Carmo, no ano de 1956. O quadro docente era preenchido por indicação da diretora da escola ou de políticos da cidade, já que não havia a realização de concursos na época.

O prédio do Grupo foi construído pelo primeiro prefeito eleito de Rialma, Gedeon Costa de Araújo. Na gestão administrativa do prefeito Pedro Antônio Pereira (1976/1982), foi repassado ao Estado de Goiás, através de doação, autorizada pela Lei Municipal 299/81, de 06 de abril de 1981, e passou a se chamar Colégio Estadual Câmara Filho.

O Grupo Escolar Câmara Filho recebeu esse nome em homenagem a Joaquim Câmara Filho, fundador do Jornal O Popular, na companhia de seus dois irmãos, Jaime Câmara e Rebouças Câmara.

Joaquim Câmara Filho foi prefeito interventor na cidade de Anápolis, nomeado pelo então governador Pedro Ludovico Teixeira, no tempo da ?Ditadura Vargas?.

O grande jornalista, antes engenheiro agrônomo, Major Honorário da Polícia Militar de Goiás, prefeito de três municípios, Secretário de Estado por duas vezes, faleceu em 1955.

O Ginásio Rui Barbosa de Rialma foi criado em 1957 e funcionava através de uma entidade mantenedora conhecida como CNEG (Campanha Nacional de Educandários Gratuitos). Vários membros do setor municipal, entre eles, Edmar de Souza Rezende (professor de história e depois prefeito de Rialma), Raimundo Vasconcelos Maranhão e Belgides Pereira do Prado (que além de aluno foi Presidente do Grêmio Estudantil), colaboraram para a manutenção desse colégio. No início, o setor municipal foi presidido pelo prefeito Gedeon Costa de Araújo. Amaro Cantuário de Brito também foi presidente do setor municipal, tendo antes ocupado o cargo de tesoureiro da instituição. O primeiro diretor do Ginásio foi o Sr. Manoel dos Passos de Castro.

O grande incentivador para que esse setor fosse criado e o próprio Ginásio, foi o Engenheiro Agrônomo da Secretaria de Estado da Agricultura, Dr. Manoel Passos de Castro, que se tornou o 1º diretor do Ginásio. Mas foi o Sub-Promotor de Justiça de Rialma, Luiz Veloso de Almeida, quem sugeriu o nome do Ginásio Rui Barbosa.

Em 1957, O Ginásio começou com o curso de admissão à 1ª Série do Curso Ginasial. Jacy Alves Guimarães era diretor do Grupo Escolar Câmara Filho, nos turnos matutino e vespertino, tornando-se o 1º secretário do Ginásio Rui Barbosa, que funcionou inicialmente no prédio do Grupo Escolar Câmara Filho, no turno noturno.

O Ginásio Rui Barbosa era mantido com verbas federais, estaduais e municipais, dirigidas à CINEG, que distribuía as verbas aos estabelecimentos de ensino.

Uma crise oriunda da formação de novas diretorias do setor municipal da CINEG ocasionou uma mudança na sua estrutura. O Ginásio Rui Barbosa passou então a ser extensão do João XXIII da cidade de Ceres, para onde foram levados os seus arquivos e posteriormente devolvidos. Nessa época, o Padre Isaías chegou a Rialma como Pároco se tornando o pacificador dessa crise. Assumiu como professor a direção do Ginásio Rui Barbosa fazendo com que este educandário voltasse a funcionar até ser encampado pelo Estado. Um dos mais notáveis diretores do Ginásio Rui Barbosa foi o Padre Isaias da Conceição.

Em 1978, o Ginásio Rui Barbosa passou a se chamar Colégio Estadual Polivalente Rui Barbosa, com sede própria, inaugurado com a presença de inúmeras autoridades do Estado, dentre eles o então Governador do Estado Sr. Irapuã Costa Júnior, no dia 29 de março de 1978.

A Escola Integrada de 1º Grau foi criada no mesmo ano, pela Lei 8.408, de 19/01/1978, publicada no Diário Oficial no dia 15/02/1978, sob o n.º 12.950. Consta também desta data o despacho do sr. Governador do Estado, Irapuã Costa Júnior, criando o 2º Grau em nossa cidade.

É importante ressaltar que o Vale de São Patrício nas décadas de 40 e 50 foi o novo eldorado brasileiro. As cidades nasciam do nada e o comércio era alucinante. As terras férteis eram abundantes e acessíveis a todos. A Marcha para o Oeste acontecia em pleno vapor e atraía migrantes como formigas.

Em 31 de janeiro de 1955 um acontecimento decisivo ocorreu para o Brasil e, em especial, para o Vale de São Patrício: assumia a presidência do Brasil, no Palácio do Catete, o médico Juscelino Kubitschek.

Juscelino escolheu para a construção da Nova Capital Federal, Brasília, o planalto central, executando assim o antigo projeto da mudança da capital para promover o desenvolvimento do interior e a integração do País. Durante todo o seu governo, o Brasil viveu um período de desenvolvimento econômico e estabilidade política.

No entanto, esse fato, concomitante com o falecimento do bandeirante Bernardo Sayão, ocorrido a 15 de janeiro de 1959, foram decisivos para o declínio do Vale de São Patrício. A construção de Brasília, que fez com que houvesse uma verdadeira debandada dos moradores e comerciantes da região, representava oferta de mão-de-obra especializada (ou não), bem como, oportunidade aos comerciantes (grandes ou pequenos) de se instalarem na nova capital do Brasil.

Já o falecimento de Bernardo Sayão causou certo desencanto da população com a região que nasceu junto com o sonho do gigante. Bernardo Sayão não era simplesmente um destemido desbravador, um construtor de estradas; Bernardo Sayão representava o sonho dos brasileiros; representava a esperança de um mundo novo e melhor; representava um símbolo capaz de mover multidões e fazer nascerem cidades da noite para o dia.

A desaceleração do crescimento da região do Vale de São Patrício era um processo natural que hora ou outra iria ocorrer, no entanto, esse dois acontecimentos precipitaram essa desaceleração e causaram um êxodo sem precedentes. Após isso, o interior do Brasil obteve um desenvolvimento mais uniforme (com raras exceções) e o Vale de São Patrício nunca mais presenciou um crescimento como aquele ocorrido nas décadas de 40 e 50.

Clique nas miniaturas para ampliá-las

Comentários

Mais eventos

  • SHOW PRÊMIOS NA FEICER 2017

    SHOW PRÊMIOS NA FEICER 2017

  • Homenagem de Altair para Radio Alvorada

    Homenagem de Altair para Radio Alvorada

RECADOS

  • Solimir Teodoro da Silva | Ceres - GO

    Olá ouço a Radio Alvorada todos os dias Principalmente o programa do Sebastião Preto Rodrigues. Eu e Minha ESposa Luci, ...

    17/08/2017 às 06h25

  • Bárbara Campos Gonçalves | Ceres - GO

    Um abraço para a Milla e Mônica, parabéns pelo trabalho que estão executando, sempre priorizando o usuário, a população ...

    06/07/2017 às 11h58

  • Mario Torres. | Pelotas - RS

    Olá! Estou ouvindo essa rádio pela primeira vez. Essa locutora, Aldenora Barbosa tem uma linda voz e a programação musi...

    16/06/2017 às 21h32

Escrever recado

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e fique por dentro das novidades!

0%
KF Sites.com.br